Letras

Grupo DST lança prémio para distinguir literatura angolana

O grupo DST e o Instituto Camões anunciaram o lançamento do Prémio de Literatura DSTANGOLA /Camões, um prémio literário anual no valor de 15 mil euros que visa distinguir trabalhos de poesia e prosa de escritores angolanos. O prémio foi apresentado publicamente no auditório do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, em Lisboa, numa sessão que contou com a presença da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, do presidente do Instituto Camões, Luís Faro Ramos, e do presidente do grupo DST, José Gonçalves Teixeira, e do Conselheiro Cultural da Embaixada de Angola em Lisboa, Luandino Carvalho.

O grupo DST e o Instituto Camões anunciaram o lançamento do Prémio de Literatura DSTANGOLA /Camões, um prémio literário anual no valor de 15 mil euros que visa distinguir trabalhos de poesia e prosa de escritores angolanos. O prémio foi apresentado publicamente no auditório do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, em Lisboa, numa sessão que contou com a presença da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, do presidente do Instituto Camões, Luís Faro Ramos, e do presidente do grupo DST, José Gonçalves Teixeira, e do Conselheiro Cultural da Embaixada de Angola em Lisboa, Luandino Carvalho.
Na sessão de apresentação do Prémio de Literatura DSTANGOLA/Camões foi ainda assinado com o Instituto Camões o protocolo Empresa Promotora da Língua Portuguesa entre o Camões, I.P. e o grupo DST, que se destina a apoiar o Centro Cultural Português em Luanda, onde será criada a sala de leitura DSTANGOLA. No âmbito deste protocolo, o grupo DST entregará àquele equipamento milhares de livros, no valor de mais de 12500 euros, estando previsto um reforço de seis mil euros, em cada um dos três anos subsequentes.
Segundo José Teixeira, presidente do Conselho de Administração do grupo DST, o protocolo destina-se ao apoio bibliográfico para projectos de investigação do Centro Cultural Português em Luanda. O apoio traduz-se através de livros, porque, como adiantou aquele responsável, “as empresas vivem de uma marca e o ponto de ancoragem da nossa marca é a cultura. A determinação é no livro porque consideramos que quem lê fica muito mais poderoso. Ler é quase tudo. É a leitura que dá elasticidade e competitividade”.

A ECONOMIA PRECISA
DE CULTURA
De entre os milhares de livros encontram-se títulos de autores portugueses, autores lusófonos, livros técnicos e literatura, entre muitos outros géneros. Para José Teixeira “este protocolo reforça o ethos da empresa, ancorada num espírito de empresa culta, cosmopolita e cool.” O grupo tem há mais de 24 anos o Grande Prémio de Literatura DST, apoia companhias de teatro há mais de 35 anos, edita livros e apoia a música, a dança e todas as literacias da beleza, de uma forma geral. “A economia precisa de cultura. É a nossa natureza, a forma de construir o nosso ethos, a nossa cultura. E nós estamos permanentemente a dar consistência a essa ideia, para não haver uma fadiga, não haver possibilidade de amolecimento. E, por isso, este prémio DSTANGOLA, além de preencher este propósito, pretende também cumprir um ponto estratégico para o grupo DST que é o deixar parte da riqueza que criámos nos sítios onde estamos, através de um investimento na área das artes e das letras”, destaca.
A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, sublinhou o sinal que é dado pelas empresas ao se associarem à iniciativa do Camões. “Muito mais importante que o apoio financeiro é o sinal de que a sociedade civil e as empresas se associam à concretização de uma política pública. As empresas reconhecem que a expansão da língua e a cultura portuguesas são importantes do ponto de vista da política, mas são igualmente essenciais para a internacionalização das empresas e para a sua presença forte nos mercados quer nacional, quer estrangeiros”, referiu.

PRÉMIO
O Prémio de Literatura DSTANGOLA/Camões visa distinguir, anualmente e de forma alternada, os trabalhos em poesia e prosa de artistas nascidos em Angola, residentes ou não, com obras publicadas no país ou no estrangeiro, nos dois anos anteriores, desde que em língua portuguesa.
A primeira edição, cujo galardão será entregue a 10 de Junho, Dia da Língua Portuguesa, em Luanda, distinguirá obras em poesia, editadas em 2017 e 2018. As candidaturas ao Prémio de Literatura DSTANGOLA/Camões estão abertas até ao dia 30 de Março.
Com um valor de 15 mil euros, o prémio terá um júri de referência, presidido pela professora Irene Guerra Marques, e constituído pelo escritor José Agualusa e pelo jornalista e director do Novo Jornal de Angola, Carlos Ferreira, ao qual caberá a análise, escolha e fundamentação da obra premiada.
O regulamento do Prémio de Literatura DSTANGOLA está disponível em www.dstsgps.com/art-and-society-pt-pt/culture-pt-pt-2/#/#text

SOBRE O GRUPO DST
O grupo DST nasceu nos anos 40 e desenvolve actividade nas áreas da Engenharia & Construção, sector que lhe deu origem e no qual é um dos grupos nacionais de referência. Atento às exigências do mercado, diversificou para as áreas do Ambiente, Energias Renováveis, Telecomunicações, Real Estate e Ventures, somando competências nas suas diversas empresas. O grupo DST pauta-se por uma acção diferenciadora no mercado e tendo em conta que a cultura é a variável que mais influencia a competitividade construiu redes com agentes culturais nas áreas das artes, da literatura, do teatro, da música e da dança, pois acredita que são nestas literacias que reside a sua proposta de valor, a fórmula da sua competitividade relativa.