Eco de Angola

Mu Ulumba wa Mwenyu

A Primavera da vida chegou.

Exi, ulumba wa mwenyu watulu
Ni mvula yoso iyi inoka inzenzesa
Jingonga, jindonga ja atu jimwesa
Kuma kihanji kya kyoso kyakulu

Ulumba wazenze ditoxi dyazulu
Dizula dilamba dyamwanganesa
Undanda wami woso wa kusesa
Yoso yatowala, anga yoso yalulu

Ulumba ki wiza ni masa makulu
Makula kamwanyu! Madimonekesa
Mu kambumbi ka we kadilebesa
Kyoso mesu ma mbutu amatulu

Ulumba wa kuzola weza, walulu
Ukambelu we wenyo ungibelesa
Muxima wami woso walembwesa
Muthu kuzola kituminu kya dyulu

Ulumba ulamba uzembu wa mbulu
 Kwila utula, utala anga udyendesa
 Kwene kwala muxima udilendejesa
 Ku tandu dya itetu yobange mu sulu
 
 Ulumba udidijila mukwivila uxidilu
 Kuzalejesa mbutu ni maxita matesa
 Dizumba dyabolo dikala kulengejesa
 Jinzungule jilenga kunuha kwa ufwilu
 
 Dizondela dyami diza ni kizumbidilu
 Kya kilumba kilumbisa yoso izandesa
 Ulumba wa muthu wala hanji kasesa
 Mukumona monandumba mu udidilu
 
 Owulumba ulumbijisa mawulumbilu
 Ma muxima wala ni mukondo ulesa
 Yoso imumbumbisa mukutu, itemesa
 Midya iminya malamba moso ma ukulu
 
 Owulumba ubekesa kudisanza kwavulu
Wixi muloji wa kindala kwila uzelejesa
Kyebi suwalu ndondo ukala kudilebesa
Kyoso ki wiza kungixisa ni ukwambukilu

NA PRIMAVERA DA VIDA

Disseram que a Primavera da vida chegou/ Com a chuva que faz alagar/ Os lagos, e as gentes que mostram/ Que a ansiedade cresceu/
A Primavera escorreu uma lágrima molhada/ Que despe a desgraça q destrói/ Toda a minha audácia em argumentar/ Tudo o que está doce, tudo o que está amargo
 A Primavera não vem com as espigas de milho já crescidas/ Elas crescem devagar! Fazem-se aparecer / Também na sua borbulhazinha que se ergue/ Quando os olhos da natureza nelas pousaram
A Primavera do amor chegou, descalçou/ Essa ausência que definha/ O meu sentimento q embargou/ Alguém amar por ordem divina
A Primavera enterra um ódio repentino/Que chega, olha e se encaminha/ Onde se acha um coração que se revigora/ Sobre os escombros urdidos ao meio-dia
A Primavera vai chorando por sentir a sujeira/ Que enche a natureza com a lixeira que coloca/ O mau odor que afugenta/ Multidões que fogem ao cheiro da morte
O meu entusiasmo vem com o odor/ Da moça que realça o que floresce/ A Primavera de quem ainda não argumenta/ Quando a vislumbra em pranto
A Primavera destaca os realces/ De uma alma cuja melancolia lambe/ Tudo o que lhe tatua o corpo, que esquenta/ As entranhas que engolem toda a antiga desgraça
A Primavera trás saúde em demasia/ Afirmou um feiticeiro destes tempos que vai clarificando/ Como o negro suor se sublima/ Quando vem e me deixa em pleno êxtase.

Mário Pereira